domingo, 14 de setembro de 2008

8ª série - República Populista







As charges acima referem-se ao período populista no Brasil. A 1ª - Trata da corrida
presidencial do qual Dutra torna-se presidente, a 2ª - Refere-se ao suicídio de Getúlio Vargas, a 3ª- Mostra as realizações de JK quando na presidência do Brasil, a 4ª - Faz uma crítica às contradições de Jânio Quadros e a 5ª - As medidas politicas adotadas por João Goulart.
Com base nas imagens acima procure fazer uma análise de cada situação e faça sua postagem no Blog.

Postar comentário até 21/09/2008

Bom Trabalho!

29 comentários:

*** MELZINHA*** disse...

O Partido Republicano Paulista (PRP) foi um partido político brasileiro fundado em 18 de abril de 1873, durante a Convenção de Itu, que foi o primeiro movimento republicano moderno no Brasil. Seus adeptos eram chamados de perrepistas. O PRP foi o partido político predominante no Estado de São Paulo durante toda a República Velha.O PRP foi extinto em dezembro de 1937. Portanto o PRP junto com o Partido Conservador e o Partido Liberal, são os partidos de mais longa duração da História do Brasil.O PRP foi um partido com existência legal mesmo na fase do Império do Brasil.Seu órgão oficial era o jornal "Correio Paulistano". Jornal que foi empastelado (destruído) em 1930, quando da vitória da Revolução de 1930. Outros jornais apoiadores do PRP também foram empastelados, entre eles a "Folha da Manhã", atual Folha de S. Paulo.
Compunha-se de profissionais liberais (advogados, médicos, engenheiros etc.) e, sobretudo, por importantes proprietários rurais paulistas, as chamadas classes conservadoras, partidárias da imigração de mão-de-obra européia para as lavouras de café e da abolição dos escravos. Quase toda a cúpula do PRP, na época se dizia "próceres", eram membros da maçonaria.Seu primeiro jornal foi o "A Província de S. Paulo", hoje O Estado de S. Paulo.O objetivo primordial do partido era implantar no Brasil uma federação republicana, com um alto grau de descentralização administrativa, o que inexistia durante o período imperial (1822-1889).Outra importante reivindicação dos republicanos era o retorno dos impostos arrecadados à província (depois estados) de origem.O PRP viveu, na oposição, de sua fundação, em 1873, até a Proclamação da República. Voltou a ser um partido de oposição, após a Revolução de 1930. Permanecendo na oposição, de 1930 até sua extinção, com o advento do Estado Novo, em 1937.Com a Proclamação da República em 15 de novembro de 1889, iniciou-se um novo ciclo de poder no Brasil, chamado de República Velha.O PRP só tinha existência legal dentro do território paulista e com a extinção dos Partidos Conservador e Liberal após a proclamação da república, passou a ser, praticamente, o único partido político existente em São Paulo. Alguns partidos tiveram existência efêmera no estado de São Paulo no início da República.
A partir de 1930, salvo poucas exceções, gaúchos e mineiros se revezariam na presidência da república, até a década de 1980. Nos 50 anos seguintes a 1930, gaúchos e mineiros estariam no poder por 41 anos.
O país exigia modernidade, com prenúncios do que aconteceria dados pela Semana de Arte Moderna de 1922, através de manifestações políticas e culturais e Movimento tenentista estando nele inclusa a Revolta Paulista de 1924.
A República Nova, com todas as suas dificuldades, içou, no ponto de vista dos revolucionários, na visão dos revolucionários de 1930, o país ao mundo contemporâneo.
Entretanto, no ponto de vista do líder perrepista, eleito presidente, em 1930, Júlio Prestes, a ditadura implantada em 1930, desonrava o Brasil:

"O que não compreende é que uma nação, como o Brasil, após mais de um século de vida constitucional e liberalismo, retrogradasse para uma ditadura sem freios e sem limites como essa que nos degrada e enxovalha perante o mundo civilizado!

SÂmela Silva de Araújo
8ºD
Nº24
:P
bjs prof!!!

simone lorena disse...

O termo populismo é utilizado para designar um conjunto de movimentos políticos que se propuseram colocar, no centro de toda ação política, o povo enquanto massa em oposição aos (ou ao lado dos) mecanismos de representação próprios da democracia representativa. Exemplos típicos são o populismo russo do final do século XIX, que visava transferir o poder político às comunas camponesas por meio de uma reforma agrária radical ("partilha negra"), e o populismo americano dos EUA da mesma época, que propunha o incentivo à pequena agricultura pela prática de uma política monetária que favorecesse a expansão da base monetária e o crédito (bimetalismo).

Historicamente, no entanto, o termo populismo acabou por ser mais identificado com certos fenômenos políticos típicos da América Latina, principalmente a partir dos anos 1930, estando associado à industrialização, à urbanização e à dissolução das estruturas políticas oligárquicas, que concentravam firmemente o poder político na mão de aristocracias rurais. Daí a gênese do populismo, no Brasil, estar ligada à Revolução de 1930, que derrubou a República Velha oligárquica, colocando no poder Getulio Vargas, que viria a ser a figura central da política brasileira até seu suicídio em 1954.
A política populista caracteriza-se menos por um conteúdo determinado do que por um "modo" de exercício do poder, através de uma combinação de plebeísmo, autoritarismo e dominação carismática. Sua característica básica é o contato direto entre as massas urbanas e o líder carismático (caudilho), supostamente sem a intermediação de partidos ou corporações. Para ser eleito e governar, o líder populista procura estabelecer um vínculo emocional (e não racional) com o "povo". Isso implica num sistema de políticas ou métodos para o aliciamento das classes sociais de menor poder aquisitivo, além da classe média urbana, como forma de angariar votos e prestígio (legitimidade para si) através da simpatia daquelas. Esse pode ser considerado o mecanismo mais representativo desse modo de governar.

Desde suas origens, o populismo foi encarado com desconfiança pelas correntes políticas mais ideológicas da tanto da Esquerda quanto da Direita. Esta última (como representada, por exemplo, pelo anti-varguismo da UDN brasileira, ou pelo anti-peronismo da União Cívica Radical/UCR Argentina) sempre apontou para os aspectos plebeus, as práticas vulgares e as atitudes "demagógicas" (concessão irresponsável de benefícios sociais e gastos públicos) que a prática populista comportava; a Esquerda, especialmente a comunista, apontava para o caráter reacionário e desmobilizador das benesses populistas, que se contrapunha às lutas organizadas da classe operária e fazia tudo depender da vontade despótica de um caudilho bonapartista. Na América Latina, o populismo foi um poderoso mecanismo de integração das massas populares à vida política, favorecendo o desenvolvimento econômico e social, mas dentro de uma moldura estritamente burguesa em que essa integração foi "subordinada", colocando-se a figura de um líder carismático e mais ou menos autoritário como tampão entre as massas e o aparelho de Estado.
Aluna:Simone Lorena Da Silva Bessa
numero:26
série:8ªD

leonardo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
leonardo disse...

Dutra foi um militar nascido em Cuiabá que assumiu a presidência brasileira em 31 de janeiro de 1946. Durante seu governo impediu que o Estado interferisse com freqüência na economia brasileira, melhorou a assistência médica, alimentícia, de transporte e energia, adotou uma política liberal, enquadrou o país no capitalismo quando houve a divisão entre o capitalismo e o socialismo. O dia recém havia começado na manhã de 24 de agosto de 1954, quando Getúlio Vargas decidiu tirar a própria vida. Esse gesto foi o maior golpe de marketing político da história brasileira. Até aquela manhã, o ex-ditador estava acuado. Acusado de protetor de ladrões e tendo dois filhos, o irmão e o chefe da guarda pessoal envolvidos na tentativa de assassinato do principal líder da oposição a seu governo, a situação política de Getúlio Vargas era insustentável. A grande realização de Juscelino Kubitschek foi à construção de Brasília, que ficou como nova capital da república, no planalto de Goiás. Brasília foi planeja por Oscar Niemeyer e Lúcio Costa, que foi inaugurada no dia 21 de abril de 1960. No começo de seu governo, JK apresentou ao povo brasileiro o seu Plano de Metas, cujo lema era “cinqüenta anos em cinco”. Pretendia desenvolver o país cinqüenta anos em apenas cinco de governo. O plano consistia no investimento em áreas prioritárias para o desenvolvimento econômico, principalmente, infra-estrutura (rodovias, hidrelétricas, aeroportos) e indústria. No Planalto, Jânio alternaria atitudes exóticas – os bilhetinhos, e seus decretos como que proibia a briga de galo com gestos de um verdadeiro estadista. As contradições de Jânio começam pelo setor econômico. Embora eleito com o apoio da conservadora UDN, o presidente bloqueia remessas de lucros internacionais, desengavetando um lei originariamente enviada ao Congresso por Vargas. João Goulart realizou um governo contraditório. Procurou estreitar as alianças com o movimento sindical e setores nacional-reformistas, mas paralelamente tentou implementar uma política de estabilização baseada na contenção salarial. Seu Plano Trienal de Desenvolvimento Econômico e Social, elaborado pelo ministro do Planejamento Celso Furtado, tinha por objetivo manter as taxas de crescimento da economia e reduzir a inflação.

nome:Leonardo Vale
serie:8ª turma:C
nº:15

Anônimo disse...

O suicídio de Vargas
Em agosto de 1954, Vargas suicidou-se no Palácio do Catete com um tiro no peito. Deixou uma carta testamento com uma frase que entrou para a história : "Deixo a vida para entrar na História." Até hoje o suicídio de Vargas gera polêmicas. O que sabemos é que seus últimos dias de governo foram marcados por forte pressão política por parte da imprensa e dos militares. A situação econômica do país não era positiva o que gerava muito descontentamento entre a população.

Embora tenha sido um ditador e governado com medidas controladoras e populistas, Vargas foi um presidente marcado pelo investimento no Brasil. Além de criar obras de infra-estrutura e desenvolver o parque industrial brasileiro, tomou medidas favoráveis aos trabalhadores. Foi na área do trabalho que deixou sua marca registrada. Sua política econômica gerou empregos no Brasil e suas medidas na área do trabalho favoreceram os trabalhadores brasileiros.

Reflexos da guerra fria – No plano internacional a presidência de Dutra inseriu-se nos quadros da guerra fria, caracterizada a partir de 1947 com a Doutrina Truman. Integrado como estava na área de influência norte-americana, o Brasil definiu-se no plano da política externa como aliado da grande potência do Norte. O ingresso oficial do Brasil no cenário da guerra fria aconteceu com o tratado de assistência mútua, em setembro de 1947, entre Brasil e Estados Unidos. Além disso, na IX Conferência Interamericana, realizada em Bogotá, o Brasil associou-se ao sistema de segurança do hemisfério ocidental atlântico.

Segundo a nova norma das relações internacionais que o Brasil assumiu, Dutra coerentemente rompeu relações diplomáticas com a União Soviética, ao mesmo tempo em que o Partido Comunista do Brasil, chefiado por Luís Carlos Prestes, foi declarado ilegal.

A sucessão presidencial – Na disputa pela sucessão de Dutra concorreram quatro candidatos: novamente Eduardo Gomes (UDN), João Mangabeira pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), Cristiano Machado (PSD) e Getúlio Vargas, apoiado pelo PTB, pelo PSP (Partido Social Progressista) e pela facção dissidente do próprio PSD. Venceu Getúlio Vargas.

Getúlio Vargas (1951-1954)

O nacionalismo – O novo governo de Vargas realizou-se no momento em que os países capitalistas se reorganizavam, tendo como centro os Estados Unidos. Desse modo, o processo de industrialização, que havia sido facilitado pela Segunda Guerra, foi anulado, pois o imperialismo retomou seu vigor e a reconquista do mercado brasileiro foi empreendida. Todavia, a política econômica de Vargas era marcadamente nacionalista, chocando-se por isso com os interesses imperialistas, sobretudo os norte-americanos. A mais significativa decisão de Vargas no período foi a nacionalização do petróleo, com a criação da Petrobrás, através da lei 2 004 de 3 de outubro de 1953, que estabeleceu o monopólio estatal do petróleo. Naturalmente, o nacionalismo de Vargas não agradava aos capitalistas norte-americanos, e o presidente dos Estados Unidos, Eisenhower, cancelou unilateralmente o acordo de desenvolvimento entre o Brasil e os Estados Unidos, entregando apenas 180 milhões de dólares dos quase 400 milhões prometidos anteriormente.



O reforço do sindicalismo – Paralelamente à política econômica nacionalista, Getúlio concedeu especial atenção ao movimento trabalhista, procurando apoiar-se na grande massa popular para sustentar o seu programa econômico. As oposições cresceram com a nomeação de João Goulart como ministro do Trabalho, em princípios de 1953. O novo ministro reorganizou os sindicatos de modo a dar ao governo maiores condições de manipular a massa operária.

As oposições. Como era de esperar, Vargas teve de enfrentar a oposição dos conservadores, cada vez mais violenta com a participação de Carlos Lacerda, proprietário do jornal Tribuna da Imprensa. Na campanha antigetulista, Lacerda não hesitou em explorar mesquinhamente a vida privada do presidente e dos seus assessores. Além disso, procurou identificar o novo governo de Getúlio com o retorno ao Estado Novo. De outro lado, as pressões norte-americanas, sobretudo das empresas petrolíferas, criavam dificuldades cada vez maiores para Vargas. A luta chegou ao auge em meados de 1954, quando o jornalista Carlos Lacerda sofreu um atentado. Embora Lacerda tenha escapado, o atentado resultou na morte de um oficial da Aeronáutica, major Rubens Vaz. O envolvimento de pessoas que compunham a segurança pessoal de Vargas fez com que o Exército se colocasse contra o presidente, exigindo a sua renúncia. Na manhã de 24 de agosto de 1954, depois de escrever uma carta-testamento, Getúlio se suicidou.

BRUNA ALVES
8*D n*04

Maissa disse...

A primeira mostra que a disputa pela presidência da república foi muito grande,
Entre os três candidatos: Eurico Dutra, Eduardo Gomes e Yedo fiusa, tendo como
Grande vencedor Dutra.




A 2º mostra a grande repercussão que a morte de Vargas levou á toda sociedade e TE HOJE dá muito o que falar. Vargas era um dos presidentes Populistas, que a população mais admirou, e a sua morte foi inesperada e muito doida para toda população daquela época!



A 3ª Mostra as realizações, que JK consolidou, para modernizar o país; à custa de um grande endividamento externo, feito com os EUA, trazendo a modernidade e o bem estar para poucos (a elite). Mas graças a Ele temos Brasília como distrito federal do Brasil com construções monumentais e arquitetônicas!


O 4º fala sobre a grande pressão que Jânio sofreu pelos EUA, devido a seu governo e política não agradar os interesses americanos!!! Pois Jânio queria restaurar a política e o governo brasileiro.


A 5º mostra que os poderes exercidos pelo presidente, foram restritos pelos ministros, com isso ele não poderia colocar em andamento as suas metas em frente!!

Aluna: Maíssa Ramos
Serie: 8ª D número: 18

NATÃ disse...

A primeira imagem mostra a disputa entre os candidatos a presidente: Eurico Dutra, Eduardo Gomes e Yedo Fiúza. Disputada em dezembro de 1945, Eurico Dutra acabou vencendo, tornando-se assim o presidente do Brasil.

A segunda imagem mostra o suicídio de Getúlio Vargas, trazendo grande impacto à população brasileira, e realmente ele “saiu da vida para entrar na historia”. Para se ter a idéia de sua importância, seu funeral foi a maior manifestação popular da historia brasileira.

A terceira imagem mostra as realizações feitas por Juscelino Kubitschek em seu mandato, com o objetivo de modernizar o país, todas as inovações feitas por ele acabaram aumentando a divida externa brasileira. Quis desenvolver cinco setores considerados estratégicos: alimentação, educação, energia, transportes e indústria de base. Trouxe as empresas multinacionais ao Brasil e construiu nosso Distrito Federal.

A quarta imagem mostra a intensa pressão do governo norte-americano sofrida pelo então presidente Jânio Quadros, por que seu governo não atendia aos interesses econômicos e políticos dos EUA. Jânio na verdade se importava mesmo era com o governo brasileiro.

A quinta imagem mostra que naquela época os poderes do presidente eram inferiores aos do ministro, era muito difícil um presidente conseguir realizar seus objetivos, suas metas, já o ministro não.

ALUNO: NATÃ ALVES RODRIGUES JUNIOR N°: 20
SÉRIE: 8° D

Tainá :} disse...

Eurico Gaspar Dutra (1946-1951)

A Constituição de 1946 – Durante a sua presidência foi eleita a Assembléia Constituinte que, em 18 de setembro de 1946, deu origem à quarta Constituição republicana, a quinta do Brasil. Embora tenha mantido a federação e o presidencialismo, a nova. Constituição, como a de 1934, fugiu bastante às linhas doutrinárias de 1891.

Para controlar o Executivo, determinou o comparecimento compulsório dos ministros ao Congresso, quando convocados, para informações e interpelações, tornando-os responsáveis pelos atos que referendassem; previu, ainda, a formação de Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI’s), segundo o modelo norte-americano.

Além disso, a nomeação dos ministros não acarretaria a perda dos mandatos legislativos que exercessem, e o período presidencial duraria cinco anos.

Cumpre acrescentar que os direitos trabalhistas do período getulista foram incorporados ao texto constitucional.

Getúlio Vargas (1951-1954)

O nacionalismo – O novo governo de Vargas realizou-se no momento em que os países capitalistas se reorganizavam, tendo como centro os Estados Unidos. Desse modo, o processo de industrialização, que havia sido facilitado pela Segunda Guerra, foi anulado, pois o imperialismo retomou seu vigor e a reconquista do mercado brasileiro foi empreendida. Todavia, a política econômica de Vargas era marcadamente nacionalista, chocando-se por isso com os interesses imperialistas, sobretudo os norte-americanos. A mais significativa decisão de Vargas no período foi a nacionalização do petróleo, com a criação da Petrobrás, através da lei 2 004 de 3 de outubro de 1953, que estabeleceu o monopólio estatal do petróleo. Naturalmente, o nacionalismo de Vargas não agradava aos capitalistas norte-americanos, e o presidente dos Estados Unidos, Eisenhower, cancelou unilateralmente o acordo de desenvolvimento entre o Brasil e os Estados Unidos, entregando apenas 180 milhões de dólares dos quase 400 milhões prometidos anteriormente.



O reforço do sindicalismo – Paralelamente à política econômica nacionalista, Getúlio concedeu especial atenção ao movimento trabalhista, procurando apoiar-se na grande massa popular para sustentar o seu programa econômico. As oposições cresceram com a nomeação de João Goulart como ministro do Trabalho, em princípios de 1953. O novo ministro reorganizou os sindicatos de modo a dar ao governo maiores condições de manipular a massa operária.

As oposições. Como era de esperar, Vargas teve de enfrentar a oposição dos conservadores, cada vez mais violenta com a participação de Carlos Lacerda, proprietário do jornal Tribuna da Imprensa. Na campanha antigetulista, Lacerda não hesitou em explorar mesquinhamente a vida privada do presidente e dos seus assessores. Além disso, procurou identificar o novo governo de Getúlio com o retorno ao Estado Novo. De outro lado, as pressões norte-americanas, sobretudo das empresas petrolíferas, criavam dificuldades cada vez maiores para Vargas. A luta chegou ao auge em meados de 1954, quando o jornalista Carlos Lacerda sofreu um atentado. Embora Lacerda tenha escapado, o atentado resultou na morte de um oficial da Aeronáutica, major Rubens Vaz. O envolvimento de pessoas que compunham a segurança pessoal de Vargas fez com que o Exército se colocasse contra o presidente, exigindo a sua renúncia. Na manhã de 24 de agosto de 1954, depois de escrever uma carta-testamento, Getúlio se suicidou.

Juscelino Kubitschek (1956-1961)



Plano de Metas: o desenvolvimentismo – O governo Juscelino Kubitschek foi marcado por transformações de grande alcance, sobretudo na área econômica. Enfatizando o "desenvolvimento econômico industrial", estabeleceu, através do Plano de Metas, 31 metas, entre as quais energia, transporte, alimentação, indústria de base, educação e construção da nova capital, considerada “a 44 síntese de todas as metas”.

Essa "política desenvolvimentista" do governo Kubitschek baseava-se na utilização do Estado como instrumento coordenador do desenvolvimento, estimulando o empresariado nacional, e também criando um clima favorável à entrada do capital estrangeiro, quer na forma de empréstimos, quer na forma de investimento direto. Assim, em 1959, o governo criou a Sudene (Superintendência para o Desenvolvimento do Nordeste), para auxiliar o nordeste e integrá-lo economicamente ao mercado nacional. Talvez a mais significativa das medidas tenha sido a criação do Grupo de Estudos da Indústria Automobilística (GEIA), constituindo aquilo que seria, no futuro, o carro-chefe da industrialização brasileira, apesar de todas as distorções econômicas verificadas posteriormente.

Esse ambicioso programa de desenvolvimento econômico levou Juscelino a repensar o sistema americano, resultando na criação da Operação Pan Americana (OPA), que redefiniu as relações da América Latina com os Estados Unidos. Através dessa iniciativa, Juscelino procurou transformar a solidariedade pan-americana numa aliança entre os países, visando a superação do subdesenvolvimento.

As transformações. Sem dúvida, o esforço juscelinista acarretou a alteração da fisionomia econômica do país. A euforia desenvolvimentista não era, de fato, carente de fundamento. As indústrias se desenvolveram sensivelmente e a economia se diversificou. Todavia, com o modelo de desenvolvimento econômico concebido e executado, outros problemas apareceram. A abertura para o capital estrangeiro, que se tornou a principal alavanca do desenvolvimento industrial, começou a pressionar a economia, provocando a inflação. Apesar da criação da Sudene, o esforço para anular as disparidades econômico-regionais não teve saldo positivo. Ao contrário, o centro-sul desenvolveu-se aceleradamente, agravando ainda mais aquelas disparidades. Com isso, a transferência da mão-de-obra das áreas tradicionais para o centro-sul, isto é, do campo para a cidade, modificou a composição social dos grandes centros urbanos, aumentando a pobreza. Novos desequilíbrios se anunciavam, desdobrando-se nos anos seguintes em graves crises que culminariam com o movimento militar de 1964.



Jânio da Silva Quadros (31/1/1961-25/8/1961)



Jânio, o "antipolítico" – Segundo o historiador norte-americano Thomas Skidmore, um conhecido “brazlianist”, Jânio era um "corpo estanho por excelência" no cenário político da época. Ainda segundo o mesmo autor, Jânio "apresentava-se como um candidato dinâmico de grande presença, que estimulava o público levando-o a confiar nele. Oferecia, assim, ao cidadão comum do eleitorado urbano a presença de uma transformação radical através da força redentora de uma única personalidade líder". Juntamente com Getúlio, Jânio foi um dos maiores lideres carismáticos do Brasil. Embora de início não estivesse totalmente identificado com o getulismo, posteriormente, após sua renúncia, repetiria, com freqüência, que de Getúlio tiraram a vida, mas não os ideais, ao passo que dele haviam tirado o ideal, e não a vida, estabelecendo assim uma significativa analogia.



O "estilo" de Jânio – Todavia, apesar da "excentricidade" aparente, Jânio era um político bastante conservador e autoritário. Desde o início, procurou controlar os sindicatos, não hesitou em reprimir os protestos camponeses do nordeste, mandou prender estudantes rebeldes, adotou uma política de austeridade e acreditou poder corrigir os vícios da administração pública reprimindo a corrupção.

Apesar de sua estreita concepção política no plano interno, Jânio curiosamente declarou-se favorável a uma política externa independente, colocando-a em prática. Reatou as relações diplomáticas e comerciais com o bloco comunista, o que desagradou profundamente ao governo norte-americano.

Entretanto, os problemas que Jânio tinha a resolver eram muitos e difíceis. Em primeiro lugar, a pesada herança das contas legadas por Juscelino, referentes à construção de Brasília. De outro lado, não se mostrava capaz de superar a crise financeira, pois a sua política de austeridade era constituída de medidas impopulares, como congelamento dos salários, restrição ao crédito, corte de subsídios federais, desvalorização do cruzeiro. Com isso, as inquietações empresariais e operárias não tardaram a aparecer.

À falta de solução para os problemas internos acrescentaram-se os externos: "em agosto de 1961", narra um jornalista norte-americano, "Quadros manda ao Congresso seu projeto sobre lucros, que determina um novo imposto sobre todos os lucros, nacionais ou estrangeiros, de 30% - com uma condição importante: os lucros reinvestidos nas indústrias que beneficiavam o serviço público, ou a criação de novas indústrias, especialmente no Nordeste, seriam taxados em apenas 10%. Como já existe uma taxa de 20% sobre todos os lucros exportados, nossas companhias que mandam seus lucros para os Estados Unidos, ou as companhias locais que investem seus lucros no exterior, sofrem, portanto, uma taxa de 50%, ainda inferior às taxas nos Estados Unidos". Em suma, Jânio queria, através de medidas tributárias, bloquear, em parte, a acumulação de capitais e a remessa de lucros, ferindo os interesses do imperialismo e da classe dominante no Brasil.

João Goulart (1961-1964)

Enquanto as divergências se radicalizavam de parte a parte, na iminência de uma guerra civil, os Estados Unidos, temendo que o exemplo cubano se repetisse no Brasil, alteraram sua tática antijanguista e passaram a pressionar o general Denys e seus aliados para uma solução de compromisso. Aliás, ao que parece, mesmo João Goulart não estava interessado em liderar a revolta armada que os gaúchos julgavam próxima. A razão era bem simples: Jango era um fazendeiro m' milionário, em cujas terras criava-se um dos melhores gados do Brasil; por isso, não lhe interessava uma revolução que alterasse o regime de propriedade ou simplesmente desorganizasse a economia nacional. Tanto assim que, conciliatoriamente, aceitou as condições que lhe impuseram para assumir o poder.

A solução de compromisso foi iniciativa do deputado federal Plínio Salgado - ex-chefe integralista -, que apresentou ao Congresso uma emenda constitucional estabelecendo o regime parlamentarista no Brasil. Desse modo, João Goulart seria chefe de Estado, mas com poderes limitados. A emenda foi aprovada pelo Congresso "sob pressão m' militar", declarou Kubitschek, ex-presidente e naquele momento senador da República. Assim, a 7 de setembro de 1961, João Goulart prestou juramento como o novo presidente da República.

A intensa hostilidade de que se cercou a posse de Jango já denunciava o grande desgaste do "populismo”. Durante o governo de João Goulart, esse desgaste atingiu o seu auge: em 1964, através de um movimento militar, o presidente foi deposto, encerrando-se a era do populismo.

Tainá Marques, nº 24. 8ª C

Bruno disse...

1ºimagem-mostra a disputa pela presidencia de 1945 em q estavam concorrendo a presidencia:Eduardo Gomes,Eurico Dutra e Yedo Fiúza.Onde quem ganhou foi eurico dultra tornando-se presidente do Brasil
2ºimagem-mostra o suicidio de getulio vargas.A morte de getulio causou um impacto na população brasileira.
3°imagem-mostra as realizações de JK modernizando o Brasil,trazendo empresas multinacionais,construindo a nova capital do Brasil Brasilia.
4°imagem-mostra a pressão q os EUA fazia sobre a presidencia de Janio Quadros querendo o tirar da presidencia,porque seus interesses não agradavam aos EUA.
5ºimagem-mostra q o poder do presidente era inferior ao do ministro.
Aluno:Bruno Henrique
Série:8ºD
N°5

Isaa;x disse...

1ª A Constituição de 1946 – Durante a sua presidência foi eleita a Assembléia Constituinte que, em 18 de setembro de 1946, deu origem à quarta Constituição republicana, a quinta do Brasil. Embora tenha mantido a federação e o presidencialismo, a nova. Constituição, como a de 1934, fugiu bastante às linhas doutrinárias de 1891.

Para controlar o Executivo, determinou o comparecimento compulsório dos ministros ao Congresso, quando convocados, para informações e interpelações, tornando-os responsáveis pelos atos que referendassem; previu, ainda, a formação de Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI’s), segundo o modelo norte-americano.

Além disso, a nomeação dos ministros não acarretaria a perda dos mandatos legislativos que exercessem, e o período presidencial duraria cinco anos.

Cumpre acrescentar que os direitos trabalhistas do período getulista foram incorporados ao texto constitucional.

2ª Getúlio Vargas (1951-1954)

O nacionalismo – O novo governo de Vargas realizou-se no momento em que os países capitalistas se reorganizavam, tendo como centro os Estados Unidos. Desse modo, o processo de industrialização, que havia sido facilitado pela Segunda Guerra, foi anulado, pois o imperialismo retomou seu vigor e a reconquista do mercado brasileiro foi empreendida. Todavia, a política econômica de Vargas era marcadamente nacionalista, chocando-se por isso com os interesses imperialistas, sobretudo os norte-americanos. A mais significativa decisão de Vargas no período foi a nacionalização do petróleo, com a criação da Petrobrás, através da lei 2 004 de 3 de outubro de 1953, que estabeleceu o monopólio estatal do petróleo. Naturalmente, o nacionalismo de Vargas não agradava aos capitalistas norte-americanos, e o presidente dos Estados Unidos, Eisenhower, cancelou unilateralmente o acordo de desenvolvimento entre o Brasil e os Estados Unidos, entregando apenas 180 milhões de dólares dos quase 400 milhões prometidos anteriormente.



O reforço do sindicalismo – Paralelamente à política econômica nacionalista, Getúlio concedeu especial atenção ao movimento trabalhista, procurando apoiar-se na grande massa popular para sustentar o seu programa econômico. As oposições cresceram com a nomeação de João Goulart como ministro do Trabalho, em princípios de 1953. O novo ministro reorganizou os sindicatos de modo a dar ao governo maiores condições de manipular a massa operária.

As oposições. Como era de esperar, Vargas teve de enfrentar a oposição dos conservadores, cada vez mais violenta com a participação de Carlos Lacerda, proprietário do jornal Tribuna da Imprensa. Na campanha antigetulista, Lacerda não hesitou em explorar mesquinhamente a vida privada do presidente e dos seus assessores. Além disso, procurou identificar o novo governo de Getúlio com o retorno ao Estado Novo. De outro lado, as pressões norte-americanas, sobretudo das empresas petrolíferas, criavam dificuldades cada vez maiores para Vargas. A luta chegou ao auge em meados de 1954, quando o jornalista Carlos Lacerda sofreu um atentado. Embora Lacerda tenha escapado, o atentado resultou na morte de um oficial da Aeronáutica, major Rubens Vaz. O envolvimento de pessoas que compunham a segurança pessoal de Vargas fez com que o Exército se colocasse contra o presidente, exigindo a sua renúncia. Na manhã de 24 de agosto de 1954, depois de escrever uma carta-testamento, Getúlio se suicidou.

3ª Juscelino Kubitschek (1956-1961)



Plano de Metas: o desenvolvimentismo – O governo Juscelino Kubitschek foi marcado por transformações de grande alcance, sobretudo na área econômica. Enfatizando o "desenvolvimento econômico industrial", estabeleceu, através do Plano de Metas, 31 metas, entre as quais energia, transporte, alimentação, indústria de base, educação e construção da nova capital, considerada “a 44 síntese de todas as metas”.

Essa "política desenvolvimentista" do governo Kubitschek baseava-se na utilização do Estado como instrumento coordenador do desenvolvimento, estimulando o empresariado nacional, e também criando um clima favorável à entrada do capital estrangeiro, quer na forma de empréstimos, quer na forma de investimento direto. Assim, em 1959, o governo criou a Sudene (Superintendência para o Desenvolvimento do Nordeste), para auxiliar o nordeste e integrá-lo economicamente ao mercado nacional. Talvez a mais significativa das medidas tenha sido a criação do Grupo de Estudos da Indústria Automobilística (GEIA), constituindo aquilo que seria, no futuro, o carro-chefe da industrialização brasileira, apesar de todas as distorções econômicas verificadas posteriormente.

Esse ambicioso programa de desenvolvimento econômico levou Juscelino a repensar o sistema americano, resultando na criação da Operação Pan Americana (OPA), que redefiniu as relações da América Latina com os Estados Unidos. Através dessa iniciativa, Juscelino procurou transformar a solidariedade pan-americana numa aliança entre os países, visando a superação do subdesenvolvimento.

As transformações. Sem dúvida, o esforço juscelinista acarretou a alteração da fisionomia econômica do país. A euforia desenvolvimentista não era, de fato, carente de fundamento. As indústrias se desenvolveram sensivelmente e a economia se diversificou. Todavia, com o modelo de desenvolvimento econômico concebido e executado, outros problemas apareceram. A abertura para o capital estrangeiro, que se tornou a principal alavanca do desenvolvimento industrial, começou a pressionar a economia, provocando a inflação. Apesar da criação da Sudene, o esforço para anular as disparidades econômico-regionais não teve saldo positivo. Ao contrário, o centro-sul desenvolveu-se aceleradamente, agravando ainda mais aquelas disparidades. Com isso, a transferência da mão-de-obra das áreas tradicionais para o centro-sul, isto é, do campo para a cidade, modificou a composição social dos grandes centros urbanos, aumentando a pobreza. Novos desequilíbrios se anunciavam, desdobrando-se nos anos seguintes em graves crises que culminariam com o movimento militar de 1964.



4ª Jânio da Silva Quadros (31/1/1961-25/8/1961)



Jânio, o "antipolítico" – Segundo o historiador norte-americano Thomas Skidmore, um conhecido “brazlianist”, Jânio era um "corpo estanho por excelência" no cenário político da época. Ainda segundo o mesmo autor, Jânio "apresentava-se como um candidato dinâmico de grande presença, que estimulava o público levando-o a confiar nele. Oferecia, assim, ao cidadão comum do eleitorado urbano a presença de uma transformação radical através da força redentora de uma única personalidade líder". Juntamente com Getúlio, Jânio foi um dos maiores lideres carismáticos do Brasil. Embora de início não estivesse totalmente identificado com o getulismo, posteriormente, após sua renúncia, repetiria, com freqüência, que de Getúlio tiraram a vida, mas não os ideais, ao passo que dele haviam tirado o ideal, e não a vida, estabelecendo assim uma significativa analogia.



O "estilo" de Jânio – Todavia, apesar da "excentricidade" aparente, Jânio era um político bastante conservador e autoritário. Desde o início, procurou controlar os sindicatos, não hesitou em reprimir os protestos camponeses do nordeste, mandou prender estudantes rebeldes, adotou uma política de austeridade e acreditou poder corrigir os vícios da administração pública reprimindo a corrupção.

Apesar de sua estreita concepção política no plano interno, Jânio curiosamente declarou-se favorável a uma política externa independente, colocando-a em prática. Reatou as relações diplomáticas e comerciais com o bloco comunista, o que desagradou profundamente ao governo norte-americano.

Entretanto, os problemas que Jânio tinha a resolver eram muitos e difíceis. Em primeiro lugar, a pesada herança das contas legadas por Juscelino, referentes à construção de Brasília. De outro lado, não se mostrava capaz de superar a crise financeira, pois a sua política de austeridade era constituída de medidas impopulares, como congelamento dos salários, restrição ao crédito, corte de subsídios federais, desvalorização do cruzeiro. Com isso, as inquietações empresariais e operárias não tardaram a aparecer.

À falta de solução para os problemas internos acrescentaram-se os externos: "em agosto de 1961", narra um jornalista norte-americano, "Quadros manda ao Congresso seu projeto sobre lucros, que determina um novo imposto sobre todos os lucros, nacionais ou estrangeiros, de 30% - com uma condição importante: os lucros reinvestidos nas indústrias que beneficiavam o serviço público, ou a criação de novas indústrias, especialmente no Nordeste, seriam taxados em apenas 10%. Como já existe uma taxa de 20% sobre todos os lucros exportados, nossas companhias que mandam seus lucros para os Estados Unidos, ou as companhias locais que investem seus lucros no exterior, sofrem, portanto, uma taxa de 50%, ainda inferior às taxas nos Estados Unidos". Em suma, Jânio queria, através de medidas tributárias, bloquear, em parte, a acumulação de capitais e a remessa de lucros, ferindo os interesses do imperialismo e da classe dominante no Brasil.

5ª João Goulart (1961-1964)

Enquanto as divergências se radicalizavam de parte a parte, na iminência de uma guerra civil, os Estados Unidos, temendo que o exemplo cubano se repetisse no Brasil, alteraram sua tática antijanguista e passaram a pressionar o general Denys e seus aliados para uma solução de compromisso. Aliás, ao que parece, mesmo João Goulart não estava interessado em liderar a revolta armada que os gaúchos julgavam próxima. A razão era bem simples: Jango era um fazendeiro m' milionário, em cujas terras criava-se um dos melhores gados do Brasil; por isso, não lhe interessava uma revolução que alterasse o regime de propriedade ou simplesmente desorganizasse a economia nacional. Tanto assim que, conciliatoriamente, aceitou as condições que lhe impuseram para assumir o poder.

A solução de compromisso foi iniciativa do deputado federal Plínio Salgado - ex-chefe integralista -, que apresentou ao Congresso uma emenda constitucional estabelecendo o regime parlamentarista no Brasil. Desse modo, João Goulart seria chefe de Estado, mas com poderes limitados. A emenda foi aprovada pelo Congresso "sob pressão m' militar", declarou Kubitschek, ex-presidente e naquele momento senador da República. Assim, a 7 de setembro de 1961, João Goulart prestou juramento como o novo presidente da República.

A intensa hostilidade de que se cercou a posse de Jango já denunciava o grande desgaste do "populismo”. Durante o governo de João Goulart, esse desgaste atingiu o seu auge: em 1964, através de um movimento militar, o presidente foi deposto, encerrando-se a era do populismo..

Isa Moraes nº9 8ªC

luan disse...

A 1º imagem mostra a disputa pela presidência da república,com os três candidatos , Eduardo Gomes,Eurico Dutra e Yedo fiusa o vencerdo da disputa pela presidencia foi Dutra.

A 2º imagem mostra suicídio de Getúlio Vargas, hoje em dia ainda dá muito o que falar. Getulio Vargas era um presidentes Populistas que a população o admirava, e a sua morte foi de repente e muito misteriosa para a população.



A 3ª imagem Mostra a realização, que JK fez para modernizar o brasil à atravez de grandes endividas externas,com os Estados Unidos trazendo a modernisação e o conforto para poucos, so para os da elite. mas devido a JK que nois temos brasilia com a capital do Brasil.

O 4º imagem mostra o que sofreu janio uma grande depreçao pelo Estado Unidos,porque seu governo nao agradou os EUA,nos intereces politicos,Jãnio Quadros queria reculpera o governo e a politica brasileira.


A 5º imagem mostra que o ministro restrigia os poderes exercidos pelo presidente, com isso ele nao consegui colaca seus planos em andamentos devido os ministro restrigir seus poderes de presidente.


Nome: Luan Carlos Nogueira
Número:17
Serie:8ºC

fernando disse...

Foi ainda em maio de 1937 que Dutra autorizou a polícia do Ceará a destruir - com a utilização inclusive de aviões cedidos pelo Exército, no que foi o primeiro bombardeio aéreo sobre um ajuntamento civil no país - o acampamento dos seguidores do beato José Lourenço remanescentes do sítio de Caldeirão, no município de Juazeiro do Norte (CE). A comunidade do Caldeirão fora destroçada pela polícia em setembro anterior, mas José Lourenço, antigo protegido do padre Cícero Romão Batista, escapara com muitos de seus companheiros, internando-se na serra do Araripe. Foi aí que ocorreu a nova investida, nas proximidades da localidade chamada Mata dos Cavalos, onde um capitão e cinco soldados da Força Pública haviam sido emboscados e mortos por uma ala dos seguidores de Lourenço. A repressão à comunidade messiânica de Caldeirão fez de quinhentas a mil vítimas fatais, entre homens (quase todos desarmados), mulheres e crianças. Um dos pretextos para a ação repressiva foi uma inexistente infiltração de pessoas envolvidas na Revolta Comunista de Natal (de novembro de 1935) entre os camponeses de Caldeirão, vindos em sua maioria do Rio Grande do Norte.
Em agosto de 1954, Vargas suicidou-se no Palácio do Catete com um tiro no peito. Deixou uma carta testamento com uma frase que entrou para a história : "Deixo a vida para entrar na História." Até hoje o suicídio de Vargas gera polêmicas. O que sabemos é que seus últimos dias de governo foram marcados por forte pressão política por parte da imprensa e dos militares. A situação econômica do país não era positiva o que gerava muito descontentamento entre a população.
Juscelino foi o último presidente da República a assumir o cargo no Palácio do Catete em 31 de janeiro de 1956. Em seu mandato presidencial, Juscelino lançou o Plano Nacional de Desenvolvimento, também chamado de Plano de Metas, que tinha o célebre lema "Cinquenta anos em cinco".

O plano tinha 31 metas distribuídas em seis grandes grupos: energia, transportes, alimentação, indústria de base, educação e — a meta principal — Brasília. Visava estimular a diversificação e o crescimento da economia, baseado na expansão industrial e na integração dos povos de todas as regiões com a capital no centro do território brasileiro.
Enquanto, no plano interno, Jânio desenvolvia uma política considerada conservadora e alinhada com os Estados Unidos, sua política externa seguia os princípios de uma linha independente, aberta a todos os países do mundo. Um dos marcos dessa independência foi a posição assumida pelo Brasil contrária a ações armadas dos americanos em Cuba, que se havia declarado socialista.
mostra que os poderes exercidos pelo presidente, foram restritos pelos ministros, com isso ele não poderia colocar em andamento as suas metas em frente!!

Nome:Fernando Henrique M. de Almeida

N°6 serie: 8ª C

Anônimo disse...

1ºfoto mostra a disputa presidência da república foi muito grande,entre os candidatos a presidente: Eurico Dutra, Eduardo Gomes e Yedo Fiúza,
pela presidencia de 1945 em que estavam concorrendo a Onde quem ganhou foi eurico dultra tornando-se presidente do Brasil.

2ºfoto mostra o suicidio de getulio vargas,trazendo grande impacto à população brasileira, e realmente ele “saiu da vida para entrar na historia”. Para se ter a idéia de sua importância, seu funeral foi a maior manifestação popular da historia brasileira,A morte de getulio causou um impacto na população brasileira.

3°foto mostra as realizações de JK o objetivo de modernizar o país, todas as inovações feitas por ele acabaram aumentando a divida externa brasileira,modernizando o Brasil,trazendo empresas
multinacionais,construindo a nova capital do Brasil Brasilia,
Mas graças a Ele temos Brasília como distrito federal do Brasil com construções monumentais e arquitetônicas!

4°foto mostra a intensa pressão do governo norte-americano sofrida pelo então presidente Jânio Quadros, por que seu governo não atendia aos interesses econômicos e políticos dos EUA. Jânio na verdade se importava mesmo era com o governo brasileiro.

5ºfoto fala que naquela época os poderes do presidente eram inferiores aos do ministro, era muito difícil um presidente conseguir realizar seus objetivos, suas metas, já o ministro não,com isso ele não poderia colocar em andamento as suas metas em frente.

aluna:katia dos santos rigotti nº15
serie:8ªD

Anônimo disse...

1ª Era a disputa para quem vai ser presidente do brasil em 1945, e os candidatos eram:Eurico Dutra, Eduardo Gomes e Yedo Fuíza,
mas quem ganhou foi Dutra.

2ª Era o suicidio de Getulio Vargas.A morte foi um impacto para os brasileiros apesar de todos os seus defeitos, é considerado O MELHOR PRESIDENTE QUE O BRASIL JÁ TEVE EM TODA A HISTÓRIA.

3ªEra a modernizaçãode JK no Brasil, trazendo impresas multinacionais.

4ª E a pressãonos norte-americanos querendo tirar da presidencia,porque as suas promessas não agradou os EUA.

5ª Naquela época os poderes do presidentes eram inferiosaos do ministros.

[b]Andressa Almeida Martins
serie:8ªC nº02

Anônimo disse...

A Republica Paulista
A popularidade de Getúlio era grande, mais a partir de 1942, parcelas da população começaram a pedir a redemocratização. No inicio de 1945, as pressões aumentaram levando Getúlio a anunciar a convocação de uma assembléia constituinte e de eleições diretas para a presidência da republica, além de decretar anistia para os presos políticos . Não acreditando na sinceridade dos anúncios feitos por Vargas ,em outubro de 1945 os militares derrubaram o ditador .foram então convocadas eleições, para a presidência da republica tinham dois fortes candidatos: o brigadeiro Eduardo Gomes e o general Eurico Dutra, e nessas eleições quem venceu foi Dutra que foi empossado em janeiro de 1946. Chegava o fim do Estado Novo.
Em 1951 ,Vargas volta a presidência da republica, dessa vez eleito regularmente.Um dos principais opositores de Getúlio era o jornalista e político Carlos Lacerda. Em seu jornal Lacerda acusava o presidente de corrupção.
Na noite de 5 de agosto de 1954 Lacerda sofre um atentado mais escapa, acusa o Palácio do Catete (sede do governo de Vargas) pelo crime. Esse fato aumenta ainda mais a crise política e social do país. Em 24 de agosto de 1954 pressionado a renunciar Vargas suicida-se com um tiro no peito.
Nas eleições presidências de 1955,o vitorioso é Juscelino Kubitschek de Oliveira , também conhecido como JK. No dia 31 de janeiro de 1956 o presidente eleito J K ,tomou posse.O governo de JK estabeleceu um planejamento econômico denominado Plano de Metas,em que pretendia desenvolver cinco setores considerados estratégicos: alimentação, educação, energia, transportes e industria de base.Além disso propunha corroer uma nova capital federal – Brasília .
O governo de Jânio Quadros colocou em pratica medidas que restringiram empréstimos bancários,impediram a elevação dos salários e incentivaram exportações.Essa diretrizes descontentaram a elite que haviam apoiado sua campanha, principalmente os membros da UDN, que viam seus interesses serem contrariados.Seu governo durou pouco mais de sete meses.
O vice-presidente da republica era João Goulart,que assumiu a presidência por meio do sistema parlamentarista de governo no Brasil ,para conciliar os que eram contra e os que eram a favor de Goulart.Durante seu governo Goulart
divulgou o plano econômico chamado Plano Trienal, que tinha como objetivo controlar a inflação e assegurar o desenvolvimento.
Porem esse plano entrava em contradição com a política de mobilização popular em apoio ao governo.Com a ajuda popular, Jango conseguiu convocar um plebiscito no dia 6 de janeiro de 1963. Nesse dia os eleitores resolveram pela volta do sistema presidencialista de governo.Após a volta do sistema presidenciais Jango começou a preparar um Programa de reformas de base .Nesse programa estavam incluídos:a reforma agrária, o direito de voto aos analfabetos e a ampliação de vagas nas faculdades publicas.e fez varias outras realizações.
Aluna: Brendda Maia
nº03
8ª D

Anônimo disse...

O Partido Republicano Paulista (PRP) foi um partido político brasileiro fundado em 18 de abril de 1873, durante a Convenção de Itu, que foi o primeiro movimento republicano moderno no Brasil. Seus adeptos eram chamados de perrepistas.O PRP foi extinto em dezembro de 1937. Portanto o PRP junto com o Partido Conservador e o Partido Liberal, são os partidos de mais longa duração da História do Brasil.O PRP foi um partido com existência legal mesmo na fase do Império do Brasil.Seu órgão oficial era o jornal "Correio Paulistano".Daí a gênese do populismo, no Brasil, estar ligada à Revolução de 1930, que derrubou a República Velha oligárquica, colocando no poder Getulio Vargas, que viria a ser a figura central da política brasileira até seu suicídio em 1954.Em agosto de 1954, Vargas suicidou-se no Palácio do Catete com um tiro no peito. Deixou uma carta testamento com uma frase que entrou para a história : "Deixo a vida para entrar na História." Embora tenha sido um ditador e governado com medidas controladoras e populistas, Vargas foi um presidente marcado pelo investimento no Brasil. Além de criar obras de infra-estrutura e desenvolver o parque industrial brasileiro, tomou medidas favoráveis aos trabalhadores.Juscelino Kubitschek foi marcado por transformações de grande alcance, sobretudo na área econômica. Enfatizando o "desenvolvimento econômico industrial", estabeleceu, através do Plano de Metas, 31 metas.Essa "política desenvolvimentista" do governo Kubitschek baseava-se na utilização do Estado como instrumento coordenador do desenvolvimento, estimulando o empresariado nacional, e também criando um clima favorável à entrada do capital estrangeiro, quer na forma de empréstimos, quer na forma de investimento direto. Assim, em 1959, o governo criou a Sudene (Superintendência para o Desenvolvimento do Nordeste), para auxiliar o nordeste e integrá-lo economicamente ao mercado nacional.O governo de Jânio Quadros colocou em pratica medidas que restringiram empréstimos bancários,impediram a elevação dos salários e incentivaram exportações.Essa diretrizes descontentaram a elite que haviam apoiado sua campanha, principalmente os membros da UDN, que viam seus interesses serem contrariados.Seu governo durou pouco mais de sete meses.A grande realização de Juscelino Kubitschek foi à construção de Brasília, que ficou como nova capital da república, no planalto de Goiás. Brasília foi planeja por Oscar Niemeyer e Lúcio Costa, que foi inaugurada no dia 21 de abril de 1960. No começo de seu governo, JK apresentou ao povo brasileiro o seu Plano de Metas, cujo lema era “cinqüenta anos em cinco”. Pretendia desenvolver o país cinqüenta anos em apenas cinco de governo. No plano internacional a presidência de Dutra inseriu-se nos quadros da guerra fria, caracterizada a partir de 1947 com a Doutrina Truman. Integrado como estava na área de influência norte-americana, o Brasil definiu-se no plano da política externa como aliado da grande potência do Norte.No Planalto, Jânio alternaria atitudes exóticas – os bilhetinhos, e seus decretos como que proibia a briga de galo com gestos de um verdadeiro estadista. As contradições de Jânio começam pelo setor econômico. Embora eleito com o apoio da conservadora UDN, o presidente bloqueia remessas de lucros internacionais, desengavetando um lei originariamente enviada ao Congresso por Vargas. João Goulart realizou um governo contraditório. Procurou estreitar as alianças com o movimento sindical e setores nacional-reformistas, mas paralelamente tentou implementar uma política de estabilização baseada na contenção salarial.Um dos marcos dessa independência foi a posição assumida pelo Brasil contrária a ações armadas dos americanos em Cuba, que se havia declarado socialista.
mostra que os poderes exercidos pelo presidente, foram restritos pelos ministros, com isso ele não poderia colocar em andamento as suas metas em frente.

Nome: Cláuber Muniz de Oliveira
Série: 8° D
N°06

veronica disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
veronica disse...

A 1° imagem mostra uma disputa competitiva pela posse de presidente do Brasil, onde disputam pelo cargo da presidência: Eurico Dutra ; Eduardo Gomes e Yedo Fiusa, mas nessa competição quem acaba ganhando é Eurico Dutra.

A 2° mostra a morte de Getúlio Vargas que era um presidente populista, onde tudo indica que ele se suicidou, com isso entra para a nossa historia.

A 3° se retrata das realizações feita pelo presidente JK, onde entre muitas outras obra, se destaca a de Brasília Distrito Federal como a capital do Brasil.

A 4° se retrata da pressão dos EUA sobre Jânio Quadros pelo fato da sua política não agradar os interesses dos americanos.

A 5° se refere que os poderes exercidos pelo presidente, de alguma forma foi restrito pelos ministros que estavam insatisfeitos.

Aluna: Verônica Sá de Almeida
Série: 8° C

Anônimo disse...

1ªmostra a grande disputa pela presidencia em 1946 entre os candidatos:Eduardo Gomes,Eurico Dutra e Yedo Fiúza.Onde quem ganhou foi eurico dultra

2ªmostra a grande repercussão que a morte de Vargas levou á toda sociedade e ate hoje dá muito o que falar. Vargas era um dos presidentes Populistas, que a população mais admirou, e a sua morte foi inesperada!!

3ªmostra as realizações feitas por Juscelino Kubitschek em seu mandato, com o objetivo de modernizar o país, todas as inovações feitas por ele acabaram aumentando a divida externa brasileira. Quis desenvolver cinco setores considerados estratégicos: alimentação, educação, energia, transportes e indústria de base. Trouxe as empresas multinacionais ao Brasil e construiu nosso Distrito Federal.

4ªJânio, o "antipolítico" – Segundo o historiador norte-americano Thomas Skidmore, um conhecido “brazlianist”, Jânio era um "corpo estanho por excelência" no cenário político da época. Ainda segundo o mesmo autor, Jânio "apresentava-se como um candidato dinâmico de grande presença, que estimulava o público levando-o a confiar nele. Oferecia, assim, ao cidadão comum do eleitorado urbano a presença de uma transformação radical através da força redentora de uma única personalidade líder". Juntamente com Getúlio, Jânio foi um dos maiores lideres carismáticos do Brasil.

5ªmostra que naquela época os poderes do presidente eram inferiores aos do ministro, era muito difícil um presidente conseguir realizar seus objetivos, suas metas, já o ministro não.


jessica priscilla
nº12
8ªC

Gustavo disse...

A primeira imagem mostra o quanto foi acirrada a disputa pela presidência.
Na largada podemos ver Dutra, Eduardo Gomes e Yedo fiusa, tendo como vencedor Eurico Gaspar Dutra.

A Segunda imagem mostra a enorme repercussão que a morte de Vargas teve.
Ele foi um dos presidentes mais amados do país, senão o mais amado.
Sua morte foi um enorme impacto para o povo, que por muito duvidaram se realmente tinha sido um suicídio.

A terceira mostra a modernização do país feio por JK, em troca de um enorme endividamento externo.
A imagem representa o deslumbramento da época em relação á Brasília, e mostra Jucelino vendendo a idéia de ir morar lá, para que a região se tornasse habitada.

A quarta imagem mostra o presidente Jânio Quadro sofrendo imensa pressão para deixar o poder, já que este não atendia aos interesses dos norte-americanos.
Jânio preferia ver o desenvolvimento do Brasil, ao invés de ceder aos interesses próprios e da elite, porem não suportou tamanha pressão e abandonou o poder.

A quinta e ultima imagem mostra o quanto era restrito o poder do presidente, e que sem o apoio do ministro ele não podia fazer nada para mudar o país, mostra o quando o presidente era apenas uma imagem do poder, um símbolo.
===============================
Gustavo Henrique
n° 12
série: 8ª D

Nixon :) disse...

A 1ª charge refere-se a corrida pela presidencia do país no qual o Eurico Gaspar Dutra ganhou;ele foi o presidente da redemocratização do país.Foi eleito com o apoio de Vargas.Pregava a não intervenção do estado na economia e a liberdade de ação para o capital estrangeiro.Sua política economica fez cresce a inflação e a dívida externa.

Na 2ª charge,deposto em 1945,voltou a ser eleito em 1951.Neste mandato,levantou bandeiras nacionalistas,mas facilitou,ao mesmo tempo,a entrada do capital estrangeiro.muito atacado,pelos opositores,Vargas suicidou-se em agosto de 1954.

Já na 3ª charge,mostra as realizações feita por JK quando esteve no poder do Brasil,ele emplantou o plano ''50 em 5'' que procurava modernizar amplamente o país.Incentivou o desenvolvimento da indústria automobilística.No seu governo iniciou a construção de Brasília,a Novacap,Tendo transferido a capital da Replública para o Planalto Central em 1960.Durante o seu governo enfrentou e resolveu pacificamente algumas rebeliões militares,como a de Aragarças.

Na 4ª charge,político com rápida e brilhante carreira em São Paulo,apresentou-se para a eleição com força enorme(A vassoura contra a corrupção)tendo atraído votos de todo tipo de eleitor.Já empossado,não conseguia contentar estes setores,com uma política externa de independência vista como perigosa.Renunciou em agosto de 1961,alegando a pressão das ''forças ocultas''.

Na 5ª charge,mostra as medidas adotadas por João Goulart,ele adotou um sistema parlamentarista de governo,em que se tirava o centro do poder das mãos do presidente e passava para o primeiro-ministro.

Aluno: Nixom Lopes nº20
Série:8ª turma:''C''

yuri sem sobre nome disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
yuri sem sobre nome disse...

O Partido Republicano Paulista (PRP) foi um partido político brasileiro fundado em 18 de abril de 1873, durante a Convenção de Itu, que foi o primeiro movimento republicano moderno no Brasil. Seus adeptos eram chamados de perrepistas. O PRP foi o partido político predominante no Estado de São Paulo durante toda a República Velha.O PRP foi extinto em dezembro de 1937. Portanto o PRP junto com o Partido Conservador e o Partido Liberal, são os partidos de mais longa duração da História do Brasil.O PRP foi um partido com existência legal mesmo na fase do Império do Brasil.Seu órgão oficial era o jornal "Correio Paulistano". Jornal que foi empastelado (destruído) em 1930, quando da vitória da Revolução de 1930. Outros jornais apoiadores do PRP também foram empastelados, entre eles a "Folha da Manhã", atual Folha de S. Paulo.
Compunha-se de profissionais liberais (advogados, médicos, engenheiros etc.) e, sobretudo, por importantes proprietários rurais paulistas, as chamadas classes conservadoras, partidárias da imigração de mão-de-obra européia para as lavouras de café e da abolição dos escravos. Quase toda a cúpula do PRP, na época se dizia "próceres", eram membros da maçonaria.Seu primeiro jornal foi o "A Província de S. Paulo", hoje O Estado de S. Paulo.O objetivo primordial do partido era implantar no Brasil uma federação republicana, com um alto grau de descentralização administrativa, o que inexistia durante o período imperial (1822-1889).Outra importante reivindicação dos republicanos era o retorno dos impostos arrecadados à província (depois estados) de origem.O PRP viveu, na oposição, de sua fundação, em 1873, até a Proclamação da República. Voltou a ser um partido de oposição, após a Revolução de 1930. Permanecendo na oposição, de 1930 até sua extinção, com o advento do Estado Novo, em 1937.Com a Proclamação da República em 15 de novembro de 1889, iniciou-se um novo ciclo de poder no Brasil, chamado de República Velha.O PRP só tinha existência legal dentro do território paulista e com a extinção dos Partidos Conservador e Liberal após a proclamação da república, passou a ser, praticamente, o único partido político existente em São Paulo. Alguns partidos tiveram existência efêmera no estado de São Paulo no início da República.
A partir de 1930, salvo poucas exceções, gaúchos e mineiros se revezariam na presidência da república, até a década de 1980. Nos 50 anos seguintes a 1930, gaúchos e mineiros estariam no poder por 41 anos.
O país exigia modernidade, com prenúncios do que aconteceria dados pela Semana de Arte Moderna de 1922, através de manifestações políticas e culturais e Movimento tenentista estando nele inclusa a Revolta Paulista de 1924.
A República Nova, com todas as suas dificuldades, içou, no ponto de vista dos revolucionários, na visão dos revolucionários de 1930, o país ao mundo contemporâneo.

nome:Yuri sem sobrenomeee
n°:esquecii
serie:8ªc

joww disse...

i

Anônimo disse...

A primeira imagem mostra a disputa entre candidatos a presidencia,foi de grande peso,mas Eurico Gaspa Dutra com odecisivo apoio de Vargas levara essa.

O segundo mostra.No governo de Gertulio Vargas o pais enfrenta uma passional crise politica.E a unica saida encontrada por ele e o suicidio fugindo assim da sua responsabilidade como presidente.

3ºJuscelino no seu mandato valeu-se da disponibilidade da capital estrangeira.E com isso ele pode fazer com que o Brasil pudesse se desenvolver na sua infraestrutura,gerando assim uma crise.

4ºJanio sofre uma grande pressão dos politicos estrangeiros,devido o seu governo não esta agrndando a eles,e adivida que o Brasil tinha com eles crecia mais ainda.

5ºA quinta imagem mostra que os poderes dos ministro eram superiores a do presidente,pois tudo que queriam realizar primeiro passavão pelas mãos dos ministro.

Nome:Kaike Tahuam.Nº14
Serie:8ºD

jowrelma disse...

O termo populismo é utilizado para designar um conjunto de movimentos políticos que se propuseram colocar, no centro de toda ação política, o povo enquanto massa em oposição aos (ou ao lado dos) mecanismos de representação próprios da democracia representativa. Exemplos típicos são o populismo russo do final do século XIX, que visava transferir o poder político às comunas camponesas por meio de uma reforma agrária radical ("partilha negra"), e o populismo americano dos EUA da mesma época, que propunha o incentivo à pequena agricultura pela prática de uma política monetária que favorecesse a expansão da base monetária e o crédito (bimetalismo).

Historicamente, no entanto, o termo populismo acabou por ser mais identificado com certos fenômenos políticos típicos da América Latina, principalmente a partir dos anos 1930, estando associado à industrialização, à urbanização e à dissolução das estruturas políticas oligárquicas, que concentravam firmemente o poder político na mão de aristocracias rurais. Daí a gênese do populismo, no Brasil, estar ligada à Revolução de 1930, que derrubou a República Velha oligárquica, colocando no poder Getulio Vargas, que viria a ser a figura central da política brasileira até seu suicídio em 1954.
A política populista caracteriza-se menos por um conteúdo determinado do que por um "modo" de exercício do poder, através de uma combinação de plebeísmo, autoritarismo e dominação carismática. Sua característica básica é o contato direto entre as massas urbanas e o líder carismático (caudilho), supostamente sem a intermediação de partidos ou corporações. Para ser eleito e governar, o líder populista procura estabelecer um vínculo emocional (e não racional) com o "povo". Isso implica num sistema de políticas ou métodos para o aliciamento das classes sociais de menor poder aquisitivo, além da classe média urbana, como forma de angariar votos e prestígio (legitimidade para si) através da simpatia daquelas. Esse pode ser considerado o mecanismo mais representativo desse modo de governar.

nome:Jowelber nao sei o sobrenome
serie:8ªc
nº:14

hendy disse...

1° imagem retrata a disputa entre Eurico Dutra,Eduardo Gomes e Yedo Fiúza em 1945 tornado-se vencedor Dutra.
2°imagem retrata a morte de Vargas onde comoveu grande parte da população. um sinal disso foia presença de milhares de pessoas em seu enterro.
3°imagem retrata as realizações q JK fez destacando-se em seu governo:costrução de usinas hidrelétricas,implantação de indústria auto mobilística,ampliaçãoo da produção de petróleo,construção de estrada e além de suas obras empenhou-se na costrução de Brasília,para ser a capital do brasil.
4°imagem retrata a pressão q estava sofrendo sobre o EUA pois suas atitudes não estavam agradando os americanos assim querendo lhe tirar a presidência já q queria restaurar o brasil e seu governo.
5°imagem retrata que seu poder era inferior ao do ministro assim sendo impossibilitado de fazer com q pudesse exercer seu objetivos suas metas.
HENDY N°13
8°D

yuri sem sobre nome disse...

y

sara disse...

1ª charge mostra a corrida pela presidencia do país no qual o Eurico Gaspar Dutra ganhoudo .Foi eleito com o apoio de Vargas.Pregava a não intervenção do estado na economia e a liberdade de ação para o capital estrangeiro.Sua política economica fez cresce a inflação e a dívida externa.

2ª charge,deposto em 1945,voltou a ser eleito em 1951.Neste mandato,levantou bandeiras nacionalistas,mas facilitou,ao mesmo tempo,a entrada do capital estrangeiro.muito atacado,pelos opositores,Vargas suicidou-se em agosto de 1954.

3ª charge,mostra as realizações feita por JK quando esteve no poder do Brasil,ele emplantou o plano ''50 em 5'' que procurava modernizar amplamente o país.Incentivou o desenvolvimento da indústria automobilística.No seu governo iniciou a construção de Brasília,a Novacap,Tendo transferido a capital da Replública para o Planalto Central em 1960.Durante o seu governo enfrentou e resolveu pacificamente algumas rebeliões militares,como a de Aragarças.

4ª charge,político com rápida e brilhante carreira em São Paulo,apresentou-se para a eleição com força enorme(A vassoura contra a corrupção)tendo atraído votos de todo tipo de eleitor.Já empossado,não conseguia contentar estes setores,com uma política externa de independência vista como perigosa.Renunciou em agosto de 1961,alegando a pressão das ''forças ocultas''.

5ª charge,mostra as medidas adotadas por João Goulart,ele adotou um sistema parlamentarista de governo,em que se tirava o centro do poder das mãos do presidente e passava para o primeiro-ministro.
nome:sara tereza silva
n°23 7°c
\o/